OAB de Diadema participa da Macha Primavera Poluída

Assessoria de Imprensa
Por Assessoria de Imprensa setembro 22, 2013 21:52

OAB de Diadema participa da Macha Primavera Poluída

Diretoria da OAB de Diadema participou do evento

Diretoria da OAB de Diadema participou do evento

A chegada da primavera foi lembrada neste domingo (22) com uma grande passeata em Mauá. Por esse motivo, a 62ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Diadema participou da organização da Marcha Primavera Poluída, através de sua Comissão de Meio Ambiente, presidida pelo doutor Virgílio Alcides de Farias, também responsável pela organização da marcha. Reunindo dezenas de pessoas, entre as quais advogados e a presidente da comarca, doutora Marilza Nagasawa, o evento foi marcado por caminhada partindo da Estação Capuava, em Mauá, até o Polo Petroquímico de Capuava, na divisa com Santo André. A indústria foi o alvo do protesto, já que vem despejando uma espessa camada de poluição sobre o céu do ABC.

De acordo com informação do MDV, estudos da professora de Endocrinologia da Faculdade de Medicina do ABC, Maria Ângela Zacarelli Marino, revelam que a queima de solventes clorados no polo petroquímico pode ser um dos responsáveis pelo alto índice de moradores doentes no entorno da indústria. A substância tóxica estudada é um hidrocarboneto clorado que em processos térmicos pode liberar substâncias químicas chamadas dioxinas e furanos, POP´s (Poluentes Orgânicos Persistentes), que são as substâncias tóxicas mais perigosas do mundo.

“Foi muito gratificante poder participar da Marcha Primavera Poluída e poder ajudar e conhecer pessoas comprometidas com o bem da sociedade. Parabéns a todos que estiveram presentes no evento buscando o melhor para a nossa sociedade e, principalmente, procurando ajudar a população que mora próxima do polo petroquímico”, disse a presidente da OAB de Diadema, doutora Marilza Nagasawa.

Assessoria de Imprensa
Por Assessoria de Imprensa setembro 22, 2013 21:52
Escrever um comentário

sem comentários

Ainda não há comentários!

Deixe-me lhe contar uma história triste! Não existem comentários ainda, mas você pode ser primeiro a comentar este artigo.

Escrever um comentário
Ver comentários

Escrever um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*