OAB de Diadema abre sindicância para apurar ação da Guarda Civil Municipal

Assessoria de Imprensa
Por Assessoria de Imprensa setembro 9, 2013 09:12

A 62ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Diadema, por meio da Comissão de Direitos Humanos, vai apurar se houve abuso de autoridade por parte do efetivo da Guarda Civil Municipal (GCM) ao tentar dispersar, no ultimo dia 5 de setembro, um grupo que bloqueou o corredor de trólebus. Os manifestantes protestavam em frente à Câmara como forma de pressionar os vereadores a rejeitar a proposta de autoria do prefeito Lauro Michels, que autoriza a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) voltar a explorar os serviços de água e tratamento de esgoto na cidade depois de quase 20 anos. O projeto, porem, foi aprovado com 15 votos favoráveis.

Presidente da comissão, a doutora Flávia Magalhães Artilheiro revelou que os trabalhos serão realizados junto com outros três advogados da subseção. Ao presidente da Camara, vereador Manoel Eduardo Marinho, o Maninho, foi solicitado às imagens externas do Legislativo para que possam passar por analise detalhada para verificar se houve alguma irregularidade por parte da GCM durante a manifestação. Algumas testemunhas e vitimas da ação do efetivo também serão chamadas para depoimento.

“Ao final será elaborado um relatório que, caso aponte irregularidades, será encaminhado às autoridades competentes para a adoção das medidas legais cabíveis”, disse doutora Flavia. Caso os advogados encontrem alguma irregularidade, os relatórios poderão ser encaminhados para o Ministério Público ou ajuizados diretamente na Justiça.

“Já recebemos vários materiais e vamos oficiar a presidência da Câmara para obter as imagens das câmeras de vigilância da entrada. A linha do trólebus é de competência do Estado. Poderíamos esperar alguma ação da PM e não da GCM”, afirmou o Secretário Geral da OAB de Diadema, doutor Edivaldo Lubeck.

Assessoria de Imprensa
Por Assessoria de Imprensa setembro 9, 2013 09:12
Escrever um comentário

sem comentários

Ainda não há comentários!

Deixe-me lhe contar uma história triste! Não existem comentários ainda, mas você pode ser primeiro a comentar este artigo.

Escrever um comentário
Ver comentários

Escrever um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*